Tuesday, September 05, 2006

No dia 7 de agosto recebemos o tema ‘’Turismo’’ como proposta da TGI.
A partir daí, começamos a pensar o rumo que iríamos tomar.

Após lermos uma reportagem na Folha de São Paulo (
http://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/ult272u55438.shtml) sobre um caso em Veneza que relatava um conflito de opiniões entre os gondoleiros e a prefeitura da região, onde a prefeitura propunha regras para a retirada de luzes néon e outros tipos de decoração ‘’brega e de mau gosto’’ dos barcos ancorados da região, por não atender à tradição do século XVI. Os gondoleiros replicaram dizendo que esses enfeites ‘’bregas’’ é que chamavam a atenção dos turistas, sendo então retrucados pela prefeitura onde ela diz que “É Veneza e não Las Vegas!”

Com isso começamos a fazer um recorte inicial, referente ao desejo de todos ainda buscarem se sentir únicos meio a uma globalização. Faz sentido?

No dia 28 de agosto apresentamos nossa proposta ao nosso orientador professor Fabrizio Poltronieri: turismo como experiência cultural, onde o indivíduo interage com outras formas de arte, religião, ecologia, diversão e etc.
De um lado, uma cidade contendo cultura local (com ou sem raízes profundas), e de outro,personagens vindos de diferentes realidades sócio-culturais, relacionando-se com a cidade e seus moradores: o turista.
A partir do momento em que o turista mostra interesse na cultura local ele cria oportunidades para refletir sobre suas próprias experiências e por meio dessa reflexão, redescobrir sentimentos e idéias antes esquecidas, ou mesmo imperceptíveis até aquele momento e descobrir também coisas novas.

- Confuso, amplo demais e sem núcleo! Disse o Fabrízio.

Agora tínhamos um problema nas mãos.
Então resolvemos questionar sobre “não-lugares”, assunto que o próprio Fabrizio havia comentado em aula, mas muito rapidamente.
Ao conversar com o professor ele nos disse:

“ Caso se interessem pelos "não-lugares", uma leitura inicial muito interessante é:

AUGE, Marc. Não-lugares. Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus.

qualquer novidade, me avise.”


Assim começamos nossa expedição à biblioteca.
A procura de um livro resultou no aluguel de 6.

A grande maioria trata de questões que circundam “o que leva o homem a fazer turismo” e de não-lugares, espaços onde existe uma quantidade muito grande de informações, descaracterizando um determinado lugar, ou impossibilitando uma troca de informações com qualidade.
Também se aplica à não-lugares o fato de ser um “refúgio” para o turista, uma vez que ele não precisa entrar em conflito com uma cultura diferente, já que neste não-lugar existem simulacros que possibilitam fazer o que quiser, muitas vezes até continuar na sua própria rotina.
Um bom exemplo de “não-lugar” seriam os resorts ou os McDonald’s.
Explicando: Se você viajar para algum outro país e encontrar um McDonald’s, certamente poderá pedir um sanduíche que conheça, sem precisar se expor tanto a uma cultura diferente.

Encontrei uma declaração em um flog (
http://www.fotolog.com/lu_li/) que explica bem isso:

“08/23/06
eu preciso de fotosss....ja q essa nao é tao nova, é no Mc de Milao, comer no Mc em outros lugares é mto bom, vc sabe q nao vai se decepcionar (...)”
Então levantamos o questionamento: “ No âmbito do turismo, até que ponto o simulacro substitui a realidade, podendo até superá-la?

Assim, pretendemos questionar o simulacro da realidade causada principalmente pelos não-lugares,mas também pelos cd-roms e até internet, já que atualmente existem sites onde se pode fazer turismo online, seja em tempo real, seja em “animação” feita com fotografias do local.


Até agora, todos esses apontamentos foram feitos por meio de uma leitura superficial.
Daqui em diante iremos fazer estudos mais profundos para abordar o tema.

Contamos com a opinião de todos!

5 Comments:

Blogger [fabrizio augusto poltronieri] said...

opa! achei muito bom! o processo é esse mesmo, e a forma como vocês descreveram este desenvolvimento inicial está muito interessante, com links e colagens de outros diálogos. bom demais, vamos em frente! vou acompanhando o desenvolvimento através do rss. assim sempre que tiver novidades eu vejo. abraços e beijos, fabrizio.

12:54 PM  
Blogger Rafael S. Karelisky said...

vamos lá .....
boa sorte para nós ....

no fim tudo vai dar certo

7:53 AM  
Blogger [fabrizio augusto poltronieri] said...

cadê a foto da karina? hauhauah

7:58 PM  
Anonymous Projeto Jenova said...

aeeee pissoas :D
vindo desejar boa sorte pra vcs :)
e tb avisar q ja adicionei vcs nos links favoritos :)
TEH MAISSS!!!

4:14 PM  
Anonymous Pati said...

Olá...passando pra desejar boa sorte pra todos...
Tb adicionei o link de vcs..
Bjos!

4:24 PM  

Post a Comment

<< Home